Início Curiosidades TSE vai liberar o codigo-fonte para Hackers tentar invadi-los.

TSE vai liberar o codigo-fonte para Hackers tentar invadi-los.

337
urna eletronica
Em sua página segue o titulo da publicação do TSE:
O Brasil é o primeiro e o único país no mundo que faz teste semelhante, abrindo os sistemas eleitorais para que investigadores ou hackers tentem quebrar as barreiras de segurança do processo.
Saiba mais e inscreva-se em http://www.tse.jus.br/hotsites/teste-publico-seguranca-2017/. O prazo termina hoje!

#PraCegoVer
Descrição da imagem: ilustração de duas mãos abrindo uma cortina feita de códigos de programação. Na legenda, “O TSE vai liberar o código-fonte dos sistemas eleitorais para que hackers possam tentar invadi-los. Esse é o Teste Público de Segurança. 

 Tse-urnaeletronica

Não é bem assim TSE na Defcon 2k17 (USA) houve teste de urnas eletronicas:

Empresa que produz urnas eletrônicas utilizadas no Brasil também foi alvo dos testes.
Neste ano, a Def Con criou a “Vila da Máquina de Votação”, uma trilha que abordava questões como a integridade e a segurança de eleições. Por lá, existiam 30 urnas eletrônicas utilizadas nos estados norte-americanos para computar votos — as urnas no local eram as seguintes: Sequoia AVC Edge, ES&S iVotronic, AccuVote TSX, WinVote e Diebold Expresspoll 4000.
Sem dúvida, nossos sistemas eleitorais são fracos e suscetíveis — disse um especialista sobre as urnas norte-americanas
A ideia por trás da presença das máquinas era fazer com que os participantes procurassem vulnerabilidades nos sistemas. Vulnerabilidades, caso você não saiba, são brechas que permitem explorações subsequentes, como alterar resultados — neste caso em específico. Acontece que os hackers da Def Con levaram menos de 90 minutos para comprometer todas as máquinas.
Um dos grupos conseguiu controle total de um livro e-poll, equipamento que armazena assinaturas e cédulas de cidadãos norte-americanas que participaram de eleições. Outro grupo encontrou falhas graves de segurança na máquina AccuVote TSX, usada em 19 estados, e na máquina Sequoia AVC Edge, usada em 13 estados. Outras invasões:
Diebold TSX: hardware e firmware invadidos
WinVote: diversas vulnerabilidades encontradas (a máquina não é mais utilizada oficialmente)
Diebold Express: sistema invadido, estrutura de dados exposta via OpenSSL (CVE-2011-4109) — ataque remoto como consequência
Sobre o caso, como relata o Hacker News, o especialista em cibersegurança da Universidade de Chicago, Jake Braun, comentou o seguinte: “Sem dúvida, nossos sistemas eleitorais são fracos e suscetíveis. Agradeço aos contribuintes da comunidade hacker, hoje descobrimos mais detalhes sobre isso. O assustador é que nós também sabemos que nossos adversários estrangeiros — incluindo a Rússia, Coreia do Norte e Irã — possuem a capacidade de realizar estes hacks, dentro de um processo para minar os princípios da democracia e ameaçar nossa segurança nacional”.

 Fonte: Tecmundo
Deixe seu comentário